quarta-feira, 14 de maio de 2008

> É lindo!! Tenta não chorar
> Ela deu um pulo> assim que viu o cirurgião a sair da sala de
> operações. >Ela perguntou: 'como é que está o meu menino?
> Ele> vai ficar bom? Quando é que eu > posso o > > ver? > O
> cirurgião disse, > > 'Tenho pena. Nos fizemos tudo mas o
> seu filho não > > resistiu.' > > > > A Sally perguntou, > >
> 'Porque qual é a razão que as crianças pequenas tem> câncer?
> Será > > que Deus não > > se preocupa? Aonde estavas Tu,
> Deus, quando o meu filho necessitava?' > > > > O cirurgião> >
> perguntou, 'queres algum tempo com o teu filho? Uma das
> enfermeiras > irá > > sair > > dentro alguns minutos antes
> de ele ser transportado para a > universidade,' > > > > A
> Sally pediu a > > enfermeira para ficar com ela enquanto ela
> se despediu do seu > filho. Ela > > passou os seus dedos
> pelo o cabelo ruivo do seu filho. 'Você quer um > >> caracol>
> de cabelo? Perguntou a enfermeira. > > > > A Sally> abanou a
> cabeça a dizer que sim. A enfermeira cortou o
> cabelo e colocou num > saco > > de > > plástico e> entregou
> a Sally. > > > > A mãe disse, ' foi > > a ideia do Jimmy
> para doar o seu corpo a Universidade. Ele disse que > >> talvez
> pudesse ajudar outra pessoa. 'No início eu> disse
> que não, mas o Jimmy > > disse, > > 'Mãe, eu não vou
> necessitar do meu corpo depois de morrer. Talvez > possa >
> ajudar > > outro menino ficar mais um dia com a sua mãe.'
> Ela continuou, ' o meu > > Jimmy > > tinha um coração de
> ouro. Estava sempre a pensar nos outros. Sempre > > disposto
> a ajudar se ele pudesse.' > > > > Depois de ter > > passado
> a maior parte dos últimos seis messes a Sally saiu do >> Hospital
> 'Children?s Mercy' pela a última vez. > > > >> Ela colocou o saco
> com as coisas do seu filho no banco> do carro ao lado > > dela. >
> A viagem para casa > >> foi muito difícil.
> Foi ainda mais difícil entrar na casa vazia. Ela > levou>
> o saco com as coisas do Jimmy incluindo o cabelo para o
> quarto do seu > > filho. > > > > Ela começou a colocar os
> carros e as outras coisas no quarto > exactamente nos > >
> locais aonde ele os sempre teve. Ela deitou-se na cama dele> e
> agarrou a > > almofada e chorou até que ficou a> dormir.>
> Era quase > > meia-noite quando acordou e ao lado
> dela estava uma > carta. > > > > A carta > > dizia, > >
> Querida Mãe, > > Eu sei que vais ter > > muitas saudades
> minhas; mas não pensas que eu vou esquecer de ti, ou > que
> eu vou deixar de te amar, sou porque eu não estou por
> perto para > dizer que > > 'Amo-te'. Eu vou sempre te amar,
> Mãe, ainda mais com a passagem de > cada > > dia. > > Um
> dia> vamos estar juntos de novo. Mas até chegar esse dia se >
> quiseres > > adoptar um menino para não ficares tão> sozinha,
> esta tudo bem comigo. > Ele pode > > ficar com o meu quarto
> e as minhas coisas para brincar. Mas se > decidires para > >
> uma menina, ela ta lvez não vai gostar das mesmas coisa> que
> nos rapazes > > gostamos. > > Vais ter que comprar bonecas e
> outras coisas que meninas gostam, tu > > sabes. > > Não
> fiques triste a pensar em mim. Este lugar é mesmo> porreiro.
> Os > avós > > vieram ter comigo assim que eu cheguei para
> mostrar este lugar, mas > vai demorar > > muito tempo para
> eu poder ver tudo. Os anjos são mesmo fixes. Eu adoro >
> ve-los a > > voar. E sabes uma coisa? O Jesus não parece
> nada como se vê nas > > fotos. Embora quando o vi eu> conheci
> o logo. Ele levou-me a visitar > Deus! E sabes uma > >> coisa? >
> Eu sentei no colo d'Ele e falei com Ele, tal como> se eu fosse uma
> pessoa > > importante. Isso foi quando eu
> lhe disse que queria escrever esta > carta > > para ti, para
> dizer adeus e tudo mais. Mas eu já sabia que não era >> permitido.
> Mas sabes uma coisa Mã e? Deus entregou um
> papel e a sua caneta pessoal > para > > eu poder escrever
> esta carta para ti. Eu acho que Gabriel é o anjo quem > te> >>
> vai entregar esta carta. Deus disse para eu responder a> uma das
> perguntas que > > tu fizeste a Ele, 'Aonde estava
> Ele quando eu mais precisava?' 'Deus > disse > > que estava
> no mesmo sítio, tal e qual quando o filho dele, Jesus foi> >>
> crucificado. > > Ele estava presente, tal e qual com> está
> com todos os filhos dele. > > Mãe, só tu é que> consegues ver
> o que eu escrevi, mais ninguém. As > outras pessoas vêm> > >
> este papel em branco. É mesmo fixe não é? Eu tenho que> dar a
> caneta > de volta a > > Deus para ele poder continuar a
> escrever no seu Livro da Vida. Esta > noite vou > > jantar
> na mesma mesa com Jesus. Tenho a certeza que a comida vai
> ser > boa. > > > > Eu estava quase a > > esquecer, eu já> não
> tenho dores, o câncer já se foi embora. Ainda bem > >> porque
> já não podia mais e Deus também não podia ver me> assim. Isso>
> foi quando > > ele enviou o Anjo da Misericór dia para> me
> vir buscar. O anjo disse > que > > eu era uma encomenda
> especial! O que dizes a isso?' >
> Assinado com Amor > > de> Deus, Jesus e de Mim. >

Mais uma do Joãozinho

O Joãozinho está sentado na 1ª fila.

O professor pede aos alunos para darem exemplos de excitantes:

- O café! - responde a Maria

- Muito bem - diz o professor

- O álcool! - responde o António

- Muito bem - diz o professor

- Uma mulher nua! - responde o Joãozinho

O professor, num tom de voz severo:

- Vais dizer ao teu pai para vir ter comigo amanhã,tenho duas

palavrinhas para lhe dizer...

No dia seguinte o professor repara que o Joãozinho está sentado na

última fila.

Pergunta-lhe:

- Joãozinho, deste o recado ao teu pai?

- Sim, senhor professor

- O que é que ele te disse?

- Ele disse-me: 'Se o teu professor não fica excitado com uma mulher

nua é porque é paneleiro! Fica longe dele, meu filho.'

> Se não fosse o cafezinho...>

> Dois leões fugiram do Jardim Zoológico.>

> Na hora da fuga, cada um tomou um rumo

> diferente, para despistar os perseguidores.

> Um dos leões foi para as matas e o outro foi

> para o centro da cidade.

> Procuraram os leões por todo o lado, mas

> ninguém os encontrou.

> Depois de um mês, para surpresa geral, o leão

> que voltou foi justamente

> o que fugira para as matas. Voltou magro,

> faminto, alquebrado.

> Foi preciso pedir a um deputado que arrajasse

> uma vaga no Jardim Zoológico.

> Assim, o leão foi reconduzido a sua jaula.

> Passaram-se oito meses e ninguém mais se

> lembrou do leão que fugira para

> o centro da cidade, quando um dia, o bicho foi

> recapturado e voltou ao

> Jardim Zoológico gordo, sadio, vendendo saúde.

> Mal ficaram juntos de novo, o leão que fugira

> para a floresta perguntou ao colega:

> - Como é que conseguiste ficar na cidade esse

> tempo todo e ainda voltar

> com saúde? Eu, que fugi para a mata, tive que

> voltar, porque quase não

> encontrava o que comer ... !!!

> O outro leão então explicou:

> - Enchi-me de coragem e fui esconder-me numa

> repartição pública. Cada dia

> comia um funcionário e ninguém dava por falta dele.

> - E por que voltaste então para cá? Tinham

> acabado os funcionários?

> - Nada disso. Funcionário público é coisa que

> nunca se acaba. É que eu cometi um erro gravíssimo.

>Tinha comido o diretor geral, dois superintendentes,

> cinco adjuntos, três coordenadores, dez

> assessores, doze chefes de seção,> quinze chefes de divisão,

>várias secretárias,> dezenas de funcionários e

> ninguém deu por falta deles!

> Mas... No dia em que eu comi o que servia o cafezinho...

> Estraguei tudo!!!